Alcoolismo


Alcoolismo

Álcool gera dependência em pelo menos 11% da população brasileira

Informação é fundamental!

estou  compartilhando   algo que li a respeito de  alcoolismo , para que possam entender um pouco mais sobre esse   assunto Não se pode falar de alcoolismo sem explorar os efeitos da bebida alcoólica no comportamento humano. Os danos provocados por essa doença não se limitam ao organismo e à mente, atingem profundamente as emoções, os sentimentos e a alma.

A grande maioria das pessoas desconhece a doença do alcoolismo e há tabu em torno do assunto, inclusive no mundo médico. No entanto rara é a família que não tenha ou já teve um de seus membros alcoólatras, ou bebedor_problema.

 

Os alcoólatras mais comuns são aqueles de finais de semana, que, aliás, começam a beber

na sexta-feira e só param no domingo, o que acaba em pileques frequentes. Essa tendência de querer beber cada vez mais começa na quarta-feira, ou depois de curar a ressaca do último final de semana. A motivação nada mais é que a autoconfiança em baixa e para enfrentar as pessoas de seu convívio, por causa da ressaca moral, ou pelas besteiras que fez durante o pileque. É aí que o desequilíbrio emocional passa a ser companheiro de copo do bebedor_problema. A autoestima começa a entrar em processo de decadência. O vício é apenas um sintoma dessa terrível doença.

Não existe fórmula mágica nem científica para o bebedor_problema parar de beber. A única maneira de interromper o processo destrutivo e decadente do hábito desordenado de beber é o desejo sincero de abandonar a bebida, e evitar o primeiro gole.

Há casos crônicos em que é necessária a hospitalização para recuperação do corpo e da mente. Porém na cura do espírito humano, os acompanhamentos psicológicos têm se mostrado com grande contribuição no equilíbrio emocional do bebedor_problema, antes e depois de abandonar a bebida. Portanto, o alcoolismo é também uma doença da alma, já que afeta profundamente as emoções. Entretanto, quando há a ajuda dos Alcoólicos Anônimos o número de pessoas que voltam a beber diminui extraordinariamente ou o alcoólatra abandona definitivamente a bebida alcoólica.

 

Para identificar uma pessoa alcoólica é um pouco difícil pela negação da pessoa alcoólatra. Se a doença estiver no inicio dificulta o diagnostico pois não é possível saber se a pessoa está apenas bebendo socialmente ou se já passou dos limites.Quando o alcoólatra assume a sua doença e concorda a se tratar é porque foram sofridos diversos prejuízos pois já pode ter passado muito tempo o que dificulta todo o processo do tratamento.
A recaída no tratamento é muito comum entre as pessoas que sofrem este tipo de problema, cerca de 90% dos pacientes que fazem o tratamento voltam a beber. Para que o tratamento de algum resultado é necessário a alta estima do paciente a confiança em sua melhora, caso o paciente não acredite em sua recuperação o tratamento irá obter resultados.


Não existe cura para o alcoolismo existem tratamentos como psicossociais, terapias comportamentais, terapia conjugal e família, terapias psicodinâmicas interpessoais, entre outros tratamentos. O tratamento para o alcoolismo não deve ser confundido com o tratamento de abstinência alcoólica. Abstinência alcoólica é quando o organismo incorpora o álcool a seu metabolismo o que pode levar até a morte nos casos não tratados.
Estudos indicam que o apoio da família é fundamental nos tratamentos e a aceitação da doença pelo paciente é fundamental para uma boa recuperação.

Causas do Alcoolismo

Falar das causas do alcoolismo daria uma enciclopédia. No entanto, creio que a principal causa é beber o primeiro gole, pois independentemente de uma pessoa ter ou não problemas com bebidas alcoólicas, sabemos que em cada dose, ou em cada copo de cervejinha, vem junto o "tempero das vaidades", da raiva, do ódio… Bem como da alegria excessiva e de pseudo-emoções que criamos a partir da terceira dose, ou da terceira latinha de cerveja. Afinal, bebida alcoólica é uma droga, portanto causadora de sensações e emoções que de fato não existem, ou se existem podem se tonar "tempestades".

Mas, fisicamente, provoca reações reais no corpo e na mente, já que a massa muscular absorve o álcool como faz uma esponja de lavar pratos, daí é que surge a atrofia muscular e a incapacidade para dirigir.

Depois de encharcar a musculatura segue pela corrente sanguínea detonando as vitaminas que encontra pelo caminho. No caso da vitamina A, o bebedor começa a ter ressecamento da pele, insônia, irritabilidade e outras mazelas mais. Quando o álcool passa pelo cérebro, queima a vitamina B1, que é responsável pela memória recente e isto responde a pergunta de muitas pessoas que bebe demais numa festa e no outro dia não lembra da asneira que disse, ou da besteira que fez durante o pileque. Há casos que nem é necessário beber demais para afetar a memória recente, basta a pessoa está carente dessa vitamina… Ah, como as mulheres têm menos massa muscular do que os homens ficam de pilequinho bem mais rápido!

Portanto, parece-me mais fácil saber de alguns malefícios causados pela ingestão das primeiras latinhas de cerveja do que ler uma enciclopédia inteira sobre as causas do alcoolismo para evitar o primeiro gole.

Simplesmente não beber previne a doença, pois é raro uma família que não tenha ou já tenha tido um caso de alcoolismo entre seus membros, o que caracteriza a herança genética da doença do alcoolismo.

Afinal, beber é uma arte e para poucos. Além do mais, não é a bebida que faz um momento de vida especial, mas a emoção compartilhada com serenidade!

Evitar o primeiro gole é o princípio e o fim

CO-DEPENDÊNCIA

No caso de você conviver com um bebedor problema ou um alcoolista, deve procurar o AA e começar a frequentar o Al-Anôn., que é um programa paralelo para as pessoas que convivem com alcoólatras. Pessoas como você, que convive com um dependente químico, acabam se tornando também adoecidas emocionalmente, ou seja, tornam-se “alcoólatras emocionais”, pois bebem ansiedades, decepções, vergonhas, raivas… E o medo do pior. É por isso que quem convive com um doente alcoólico se torna co-dependente.

Na medida em que você começar a frequentar as reuniões de Al-Anôn., que também se realizam no mesmo local das reuniões de AA, você começará uma vida nova diante desse problema e passará a se sentir muito melhor frente às situações conflitantes, bem como conhecerá a doença do alcoolismo e descobrirá maneiras de conviver bem com o seu dependente químico e mais capacitada (o) para aborda-ló sobre esse tema e até convence-ló a assistir uma reunião de AA.

Convivendo com outras pessoas que vivem situações semelhantes a sua, lhe fará mais alegre e você se sentirá mais segura consigo mesma e essa “carga” que você carrega será muito mais leve … Convide seu doente para lhe acompanhar na sua primeira reunião de Al-Anôn. … Diga a ele que ninguém é obrigado a ficar no AA e que pode assistir uma reunião apenas como visitante, sem qualquer compromisso de parar de beber. Quem sabe funcione???

Evitar o primeiro gole é o princípio e o fim.

o assunto e muito  sério, conheço várias pessoas que morreram vítimas do alcoolismo, e diga-se de passagem, eram ótimas pessoas quando estavam sóbrias.

o alcoolismo deve ser encarado como doença, pois é um dos mais difíceis vícios de serem abandonados.

 

as vezes o   alcoolismo está associado ao fator social, onde o cara bêbado é mais divertido que o sóbrio, além da valorização publicitária de que quem bebe muito, faz parte da ala bacana da turma. Ou seja, se você é um chato de galocha e solitário beba bastante, assim será aceito mais facilmente, e provavelmente morrerá com a cara pregada num poste.

Conceito
Alcoolismo é uma patologia derivada da prática excessiva de ingestão de produtos com baixo ou elevado teor de Álcool, acarretando uma série de fatores prejudiciais à sua saúde física e mental, relacionamentos pessoais, com perturbações evidentes e que, em sua maioria, há necessidade de tratamento.
Requisitos
Há dois principais requisitos que, se evidentes, podem indicar a presença do Alcoolismo em uma pessoa, são eles:
Hábito ou costume: Ingerir produto alcoólico em curtos espaços de tempo, e com certa constância.
Dependência: Resta claro, que para se caracterizar o vício, deve haver a dependência da droga ou substância nociva, com o Álcool não é diferente, a relação entre organismo vivo (pessoa) e a droga (álcool) se manifesta quando este necessita da ingestão imediata da substância.
Classificação
A classificação se dá pelo tipo de substância alcoólica que a pessoa ingere, são elas:
Enolistas: Pessoas que ingerem bebidas fermentadas, tais como: Cerveja, Sachê, Vinho, Champanhe, Sidra, etc..
Etnistas: Pessoas que ingerem bebidas destiladas, tais como: Vodca, Tequila, Whisky, Rum, Gim e etc..
Absentistas: Pessoas que ingerem bebidas (destiladas) aromáticas, tais como: Licor, Absinto, Azuzo e etc..
Personalidade
O grau de dependência, por menor que seja, sempre faz com que o alcoólatra procure na ingestão da bebida, um ajuste na parte social de sua vida. Porém, há três formas de distinguir a personalidade dos alcoólatras, são elas:
Sintomático: É a pessoa que inicia o ato de beber por curiosidade, é quem inicialmente experimenta.
Primário: Já em um grau mais avançado, após experimentar, passa a fazer uso regular e constante da substância alcoólica.
Secundário: Estado avançado do alcoolismo, é a pessoa que bebe excessivamente, causando danos físicos e psíquicos, por vezes, irreparáveis.
Fisiopatologia
Diz respeito ao caminho em que o álcool percorre em nosso organismo, o qual é divido nas seguintes etapas:
Absorção: Às de costume, pelas vias digestivas (ingestão), mas podem ser absorvidas por outras vias, são elas: respiratória, cutânea e intravenosa; Ao se estabelecer no estômago, passa rapidamente ao sistema sanguíneo através da difusão (fenômeno de transporte de matéria, onde um soluto é transportado dos moos movimentos das moléculas de um fluido).
Metabolização e excreção: Quando na circulação sanguínea, o álcool alcança todos os orgãos do corpo humano, incluindo em regiões viscerais e cutâneas. Deste total, 90% é oxidado, exemplificando, a glicose é consumida. Assim, parcelas menores são eliminadas pelas secreções e excreções, rins e aparelho respiratório
Embriaguez Simples
Resulta da intoxicação da ingestão da substância alcoólica (exceto em casos crônicos). Dividido em três períodos:
Fase Eufórica: Centros de controle do corpo humano são intoxicados pela álcool, causando desinibição, euforia, excitação e erotismo, bem como a diluição gradativa da capacidade de julgamento, da reação (reflexos) e da concentração.
Fase Agitada: Alteração total das funções psicossensoriais, intelectuais e motoras. Exemplificando, o indivíduo perde equilíbrio, senso crítico, pode cometer atos antissociais, violência e vandalismo, perda de memória e concentração.
Fase Comatosa: Neste período, há necessidade de encaminhamento ao centro hospitalar, pois o indivíduo já está comprometido e o coma é iminente, há abolição total dos reflexos, paralisia e hipotermia, e inclusive, há possibilidade de morte.
Diagnóstico Clínico
Constatada a embriaguez, deve-se atentar ao estado clínico do indivíduo, que é caracterizado por três principais diagnósticos:
‘Delirium Tremes’: Característica do Alcoolismo crônico, ocorre após períodos de abstinência, traumatismo ou infecções, assim como também é encontrado em bebedores normais. O quadro clínico é de sudorese, febre, anorexia e hipotermia, com tremor evidente.
Dipsomania: Se dá quando o indivíduo apresenta compulsão em consumir a substância, tal ato é desordenado e causa intoxicação, que sobrevém período extenso de abstinência, podendo este durar longos períodos, assim, reiniciando-se o ciclo.
Síndrome de Korsakoff: Particular e intensa amnésia, perda de memória do intervalo de tempo em que esteve sob efeito da substância alcoólica.
Quadro Clínico
O quadro clínico é caracterizado pelos sintomas que a pessoa apresenta, no caso da embriaguez, são eles:
EEG (EletroEncéfaloGrama) e ECG (Eletrocardiograma): Alterações de forma acentuada nos casos de embriaguez completa.
Líquido Cefalorraquidiano: Alta elevação na taxa de albumina e redução da taxa de globulina.
Atrofia de Fibras Cerebrais: Capacidade intelectual em nível descendente após elevado e prolongado uso da substância.
Psicotestes: Diversos pesquisadores buscam esclarecer, através de testes, a personalidade do indivíduo alcoolizado, assim, diversificando entre os que necessitam de tratamento psiquiátrico, ou, encaminhamento à Delegacia de Polícia, se houver ensejo à ocorrências policiais.
Técnicas de Dosagem
São meios que os agentes de saúde ou policias usam para determinar se indivíduo está ou não com dosagem alcoólica acima do permitido por Lei:
Etilômetro (bafômetro) e Exame Sanguíneo: Técnicas de avaliação da dosagem de álcool na corrente sanguínea do indivíduo submetido aos testes. No Bafômetro, a dosagem é calculada pela concentração de álcool no ar dos pulmões, sabendo-se a taxa de difusão, calcula-se se a concentração de álcool no sangue é acima ou abaixo da determinada em Lei. No exame sanguíneo, coleta-se o sangue do indivíduo, que tem sua dosagem de álcool quantificada por uma técnica experimental padronizada.
Exame Médico Legal: Exame visual e de técnicas simples, feita por Médico Legista. Este tipo de exame não mostra dosagem alcoólica, porém, diz se o indivíduo submetido ao teste apresenta sinais de embriaguez, tais como hálito etílico, euforia, equilíbrio e concentração.

  aqui o depoimento  de um ex alcoólatra

 

O Segredo de Alcoólicos Anônimos ® Por Leonardo Ramalho – Desde a minha adolescência, precisamente aos 15 anos de idade, comecei a ter um comportamento exagerado com a bebida alcoólica, porém a progressividade do meu alcoolismo foi lenta. Contudo, o meu desequilíbrio emocional decorrente do abuso do álcool se tornou meu companheiro de copo a partir do primeiro porre, pois em cada dose que eu bebia estava sempre presente o tempero das vaidades. Portanto, quando parei de beber aos 33 anos de idade, percebi que muitos dos meus sentimentos ainda estavam bêbados e a isso eu chamei de ressaca espiritual, encontrando alívio através do exercício do 4º Passo de AA que é chamado também de Inventário Moral, onde encontrei a coragem necessária para enfrentar a virtude do perdão. Exercício este, que considero o maior desafio do ser humano.

Ao entrar no A.A. o orgulho foi meu primeiro oponente que comecei a combater, aceitando com consciência que sou um alcoólatra, bem como portador de uma doença chamada alcoolismo, que não tem cura, mas que pode ser interrompida desde que eu evite o primeiro gole. A primeira sugestão de AA: "Evite o primeiro gole", sugere também evitar a primeira dose de orgulho, da impaciência e da intolerância, até que possamos "beber" doses de virtudes como forma de libertação da culpa. Assim, "evitando o primeiro gole" sou recompensado pela sobriedade, que favorece à calma e me conduz à serenidade necessária para abrir uma janela para a alma, onde convivo com meu passado sem medo de construir o homem novo que há em mim.

Logo que parei de beber me defrontei com hábitos bastante enraizados em minha mente: pedir um "drink" quando se está num bar, num restaurante, com os amigos e mesmo num encontro com a mulher amada.Porém descobri que essas regras e padrões sociais são perfeitamente dispensáveis, pois não é a bebida alcoólica que faz esses momentos especiais, mas quando compartilhamos nossas emoções com serenidade. No entanto, para quem não tem problema com o álcool é muito bom, mas para um bebedor-problema essas ocasiões podem se tornar em sérios incômodos. Na verdade, quem é chegado a "tomar umas e outras" sempre fica de "fogo", cria situações preocupantes, faz "palhaçadas" e torna-se ridículo e aberto a críticas contundentes que o tornam chato e agressivo.

Na minha experiência de A.A. descobri que a fé pode curar a dor e despertar a coragem inteligente para se atravessar o "vale das sombras", apenas com uma tocha de luz erguida para o alto. Embora eu tenha bebido minha fé em doses de insensatez por muito tempo, nasceu em mim à determinação de resgata-lá dos escombros que envolviam minha alma. E com a vontade de vencer despertada dentro de mim, iluminei o caminho do meu coração com alegria e aprendi a me reconciliar comigo mesmo e com o sofrimento.

Ainda hoje, aos 53 anos de idade, sinto vontade de beber em certas ocasiões, porém não desejo voltar a beber. Com certo tempo de sobriedade apoiada pelos Alcoólicos Anônimos é que percebi que para se libertar do desejo de beber é necessário "plantar" e "regar" o desejo de não beber. Assim, compreendi finalmente, o primeiro ensinamento de A.A.: "Para ser membro de A.A. basta o desejo sincero de abandonar a bebida". Graças a esse novo hábito que introduzi na minha vida, descobri que não preciso de bebidas alcoólicas para nada e que o grande segredo de Alcoólicos Anônimos está na próxima reunião.

 

 

 

Música de raiz

Cachaça (Sugar Cane Brandy): Patrimônio Nacional / National Heritage
*****
*****

Quando o serviço é pesado
gosto de andar prevenido.
Levo um botijão escondido
para beber no roçado.
Estando o almoço botado
a mulher vem me dizer.
Eu, para não me esquecer,
tomo uma dose acrescida,
e beber durante a comida
não é defeito beber. [...]

JOSÉ ADÃO FILHO. Não é defeito beber. Recife, Tipografia. Chaves, 1972, p. 15.
(extraído do livro Dicionário Folclórico da CACHAÇA, de MÁRIO SOUTO MAIOR)
*****

Da mulher não digo nada:
Por ser melhor criatura,
à noite, muito segura,
toma bonita copada.
Alguma, por despachada,
bebe para a gente ver.
Outras, para ninguém saber,
bebem por trás da porta
o sumo da cana torta…
Não é defeito beber.

AUTOR DESCONHECIDO
(Extraído do livro Dicionário Folclórico da CACHAÇA, de MÁRIO SOUTO MAIOR)
*****

Água-de-cana é cachaça
Concha pequena é cuité
Língua de véia é desgraça
Bicho danado é muié.

ANÔNIMO
*****

E beber já foi defeito
nas tabernas do passado,
mas hoje se vê "molhado"
até Juiz de fato e Prefeito.
Bebem depois de comer
para o discurso fazer
com toda a pontuação
para quem tem posição
não é defeito beber.

JOSÉ ADÃO FILHO. obra citada.
(Extraído do livro Dicionário Folclórico da CACHAÇA. MÁRIO SOUTO MAIOR)

 

 

 Poemas -> Humor :  Cachaça

Dizem que a cachaça mata,
Pouco a pouco lentamente.
Por isso eu a sempre bebo,
Pra não morrer de repente.
Eu só tomo a minha cahaça,
Se eu for mordido de cobra.
Por isto eu tenho um criame
Com meia dúzia de sobra.

 


*Receita de um bêbado
(autor desconhecido)
Prá curar sua paixão, beba pinga com limão;
prá curar sua amargura, beba pinga sem mistura;
Contra dor de cotovelo, beba cachaça com gelo;
Contra falta de carinho: cachaça, cerveja e vinho!
Se brigar com a namorada, beba pinga misturada;
Se brigar com a mulher, beba pinga na colher;
Quem dá amor e não recebe, mistura todas e bebe;
E se alguém lhe faz sofrer, beba só pra esquecer!!!
Prá curar o sofrimento, faça da pinga alimento;
Prá esquecer um falso amor, beba pinga com licor;
Prá acalmar seu coração, beba até cair no chão;
E se a vida não tem graça, encha a cara de cachaça!!!
Pra você ganhar no bicho, beba uma no capricho;
Pra ganhar na loteria, beba pinga todo o dia;
Pra viver sempre feliz, beba pinga com raiz;
E se você não tem sorte… beba pinga até a morte!!!
Se a sua mulher lhe traiu, beba pinga no Barril;
Se gostar da sua vizinha, beba todas com farinha;
Se beber e cair no sono, c* de bêbado não tem dono;
Se a mulher sai c’o vizinho, tome conhaque com vinho.
Autor desconhecido

 

 

Um Trago Goela Abaixo!

(Luís Lemos)
Um gole, num dia chuvoso ou ensolarado
Papo entre amigos, um botequim
A cada estrela que brilha no céu
As palavras escritas no papel
Certa canção que para nós se faz desse modo
Simplesmente ao lado do copo e do cinzeiro um litro de cachaça
Que bebida enfumaçada
Entre os retratos que discorri
Para sempre encherei a cara
Em comemoração a existência de um verbo chamado beber
Popularmente conhecida, um brinde a garrafa
Grande advento da tecnologia
Objeto de desejo de todo mundo, bens de consumo
Filosofia de boteco, idéia no lugar certo
Com mesas, cadeiras e se puder aumenta o som aí
Outro gole mais som rolando
E eu continuo me embriagando
Hoje é dia de tomar algumas doses
Prosear molhando a boca e sentindo o prazer
A que entregamos o nosso ser
Em plena explosão de sentimentos
Bebendo todos os pensamentos
Santa boemia, bares e seus redutos
Vida que nós mesmos escolhemos
E caminhos que nós mesmos seguimos
Tin tin, amada cachaça.

Toxic Britney Spears
Baby can’t you see?
I’m calling
A guy like you should wear a warning
It’s dangerous, I’m falling
There’s no escape, I can’t wait
I need a hit, baby give me it
You’re dangerous, I’m loving it
Too high, can’t come down
Losing my head, spinning ‘round and ‘round
Do you feel me now?
Oh, the taste of your lips, I’m on a ride
You’re toxic, I’m slipping under
Oh, the taste of a poison, I’m in paradise
I’m addicted to you
Don’t you know that you’re toxic?
And I love what you do
Don’t you know that you’re toxic?
It’s getting late to give you up
I took a sip from the devil’s cup
Slowly it’s taking over me
Too high, can’t come down
It’s in the air and it’s all around
Can you feel me now?
Oh, the taste of your lips, I’m on a ride
You’re toxic, I’m slipping under
Oh, the taste of a poison, I’m in paradise
I’m addicted to you
Don’t you know that you’re toxic?
And I love what you do
Don’t you know that you’re toxic?
Don’t you know that you’re toxic?
Taste of your lips, I’m on a ride
You’re toxic, I’m slipping under
Oh, the taste of a poison, I’m in paradise
I’m addicted to you
Don’t you know that you’re toxic?
Oh, the taste of your lips, I’m on a ride
You’re toxic, I’m slipping under
Oh, the taste of a poison, I’m in paradise
I’m addicted to you
Don’t you know that you’re toxic?
Intoxicate me now
With your loving now
I think I’m ready now
(I think I’m ready now)
Intoxicate me now
With your loving now
I think I’m ready now

Toxic (tradução) Britney SpearsTóxico
Baby, Você não Vê?
Estou chamando
Um cara como você
Devia ter um aviso
É perigoso
Estou caindo
Não tem escapatória
Não posso esperar
Preciso
Baby, me dê isso
Você é perigoso
Estou amando isso
Muito alto
Não pode descer
Perdendo a cabeça
Girando pra lá e prá cá
Você me sente agora?
Com o sabor dos seus lábios
Estou viajando
Você é tóxico, Estou derretendo
Com o gosto do veneno do paraíso
Estou viciada em você
Você não sabe que você é tóxico?
E eu amo o que você faz
Você não sabe que você é tóxico?
Está ficando tarde
Para me livrar de você
Eu tomei um gole
Do do copo do demônio
Devagar
Vai tomando conta de mim
Muito alto
Não pode descer
Está no ar
E está em todo lugar
Pode me sentir agora?
Com o sabor dos seus lábios
Estou viajando
Você é tóxico, Estou derretendo
Com o gosto do veneno do paraíso
Estou viciada em você
Você não sabe que Você é tóxico?
E eu amo o você faz
Você não sabe que Você é tóxico?
Você não sabe que Você é tóxico?
Gosto dos seus lábios, Estou viajando
Você é tóxico, estou derretendo
Com o gosto do veneno do paraíso
Estou viciada em você
Você não sabe que você é tóxico?
Com o sabor dos seus lábios
Estou viajando
Você é tóxico, Estou derretendo (Tóxico)
Com o gosto do veneno do paraíso
Estou viciada em você
Você não sabe que Você é tóxico?
Me intoxique agora
Com seu amor agora
Eu acho que estou preparada agora
Eu acho que estou preparada agora
Me intoxique agora
Com seu amor agora
Eu acho que estou preparada agora
Fumantes
O fumante é um suicida por livre opção
Pois o cigarro prejudica a sua saúde
Sabendo dos males não toma decisão
Se perde no vício por não ter atitude
Infarto, câncer e o derrame cerebral
Podem complicar a vida deste cidadão
Mesmo sabendo que o cigarro faz mal
Não se esforça para se livrar do vilão
Mas se não bastasse a auto-agressão
Também pode contaminar o seu irmão
Que convive em um mesmo ambiente
Também contribui para a poluição do ar
E pra manter o simples prazer de fumar
Morre cedo ou se torna um deficiente.

About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s